jueves, 19 de octubre de 2017

Cultivo Hidropônico: uma prática eficiente e de alta rentabilidade.

O sistema hidropônico consiste no cultivo de plantas em meio a uma solução nutritiva, ou seja, sem contato com o solo.

A planta recebe seus nutrientes em quantidades adequadas, sem que haja desperdício. Essa técnica vem sendo empregada por muitos produtores, principalmente os de hortaliças, sendo a alface a mais cultivada por meio da hidroponia, porém como não há restrições nesse sistema, pode ser cultivado verduras e até forragem animal, como vem sendo utilizado nas regiões de caatinga.

A hidroponia apresenta resultados satisfatórios aos produtores, devido a uma maior produtividade se comparado aos sistemas tradicionais, o que se deve a múltiplos fatores, tais como: o aumento da proteção da cultura a fitopatógenos (quando aliado ao emprego do cultivo protegido), consequente diminuição no uso de agrotóxicos, uso racional da água, podendo ser 70% mais econômico do que outros sistemas, diminuição no uso de insumos e possibilidade de plantio fora de época.

Possui como principal desvantagem o alto custo de implantação, devido a necessidade de bancadas, mesas, sistemas hidráulicos, elétricos, geradores de energia e construção de estruturas, no caso do emprego do cultivo protegido. Eventuais falhas, em alguma das partes desta infraestrutura, podem representar grandes perdas na produção, já que o sistema depende do bom funcionamento destes fatores, por esta razão se faz necessário a constante manutenção do sistema.

Tipos de Sistemas Hidropônicos

Os sistemas hidropônicos são divididos entre os que possuem circulação da solução nutritiva, também chamados de sistemas abertos ou dinâmicos, e os que não possuem circulação, conhecidos como de sistema fechado ou estático.


Dentre os sistemas com circulação de solução dinâmica destacam-se o NFT (Nutrient Film Technique), que é o mais usado no mundo. Esta técnica funciona basicamente com um tanque de solução nutritiva, canais de cultivo, uma bomba que promove a circulação da solução e um sistema de retorno ao tanque.


Já entre os principais sistemas no qual não há a circulação de água, existem: o sistema de pavio, onde planta e solução são interligadas por uma espécie de pavio, o sistema floating (ou DFT – Deep Flow Technique), onde as plantas flutuam por meio de um isopor com furos sobre um reservatório contendo a solução nutritiva, neste sistema as raízes ficam completamente submersas e há necessidade da troca periódica da solução nutritiva. O DFT possui uma ótima aeração e é indicada para regiões de intenso calor.
 
Ainda entre os sistemas de circulação fechada existe a técnica de aeroponia, que consiste na exposição das raízes ao ar sendo a solução nutritiva nebulizada, em uma câmara escura, sendo apenas a parte aérea da planta exposta a luz. É importante salientar que este sistema reque maior investimento, uma vez que há um maior grau de tecnologia sendo empregada.
 
Ao contrário do que se pensa, a hidroponia também pode ser realizada em outros meios que não a água, como por exemplo, em meio inorgânico, sendo utilizada lã de rocha, areia, perlita, escória entre outros materiais como substrato, ou ainda pode ser feito o uso de materiais orgânicos como serragem, musgo, fibra de coco, etc. O sistema de gotejamento é aplicado nesse meio, no qual os gotejadores ficam localizados na superfície do substrato, próximo à planta irrigando-a. Um temporizador é utilizado para controlar a frequência da irrigação. Seguindo este modelo também há o sistema de subirrigação, que é realizada na região radicular da planta.  
 
Solução Nutritiva
 
A solução nutritiva é o fator de maior relevância na hidroponia, seu manejo correto refletirá em um bom desenvolvimento da cultura. Portanto, deverá ser preparada de modo que supra todas as exigências nutricionais do vegetal. Estas exigências variam conforme a planta e são formuladas de acordo com estudos de nutrição, que levam em consideração a espécie, o estágio de crescimento, temperatura e intensidade da luz. Por esta razão é necessário um apoio técnico, aos iniciantes, para a formulação específica. Devem ser utilizados sais fertilizantes de fácil dissolubilidade em água sob a forma de macro e micronutrientes.
 
Pragas e Doenças
 
No cultivo hidropônico, assim como nos tradicionais, também ocorrem ataques de pragas e doenças, porém com menor intensidade. Entre as principais doenças estão o Pythium, que ataca as raízes das plantas e encontra na água o local perfeito para o seu desenvolvimento. Fatores como a proximidade das plantas, facilidade de propagação dada pela constante circulação da solução e temperatura, contribuem para sua disseminação no cultivo.
 
A hidroponia requer constante monitoramento e entre as boas práticas para o bom manejo estão:
 
- Manter boa a qualidade da água utilizada na solução nutritiva, que deve estar sempre limpa e livre de impurezas físicas e biológicas. Também é importante manter o nível do reservatório, pois tende a diminuir com o desenvolvimento das plantas;
 
- Manter o pH da solução na faixa ideal (aproximadamente 6). Para maior absorção dos nutrientes é preciso medir o pH da solução nutritiva com frequência, pois as plantas não conseguem sobreviver com pH menor que 3,5;
 
- Controlar o índice de condutividade elétrica da solução, este fator é tão importante quanto ao pH, e utilizado para estimar as concentrações de sais na solução. As medidas ideais variam entre 1,5 a 3,5 miliSiemens/cm, valores maiores podem ser prejudiciais à planta;
 
- Controlar a temperatura, que deve ficar na faixa dos 18 aos 24ºC, o aumento da temperatura pode levar a incidência de Pythium e outras doenças. A temperatur
a está relacionada com a diminuição do ponto de saturação do oxigênio, que também afeta o crescimento radicular;
 
- Realizar a limpeza periódica dos tanques e canais por onde percorre a solução nutritiva é fundamental, pois com o desenvolvimento da planta ocorre a formação de algas, que também é propiciada pela entrada de luz nos canais (perfis), sendo recomendado o escurecimento do ambiente, reservatório e calhas, ou a utilização de materiais de cor escura. É indicada a realização da limpeza do reservatório e perfis durante a troca da solução nutritiva do sistema;
 
- É importante que haja controle e restrição das pessoas que circulam nas estufas de cultivos hidropônicos, para que não ocasione um aumento de contaminações e entrada de insetos.
 
A hidroponia se mostra uma prática eficiente e de alta rentabilidade, com expectativa de retorno financeiro de médio e longo prazo, dependendo do tamanho da estrutura instalada. A técnica permite cultivo tanto em pequenas áreas, como por exemplo, em centros urbanos, como em grandes áreas de produção, se tornando uma importante via econômica para os produtores. Para a viabilidade comercial desta atividade é importante seguir criteriosamente as recomendações de boas práticas, e ter o acompanhamento de um técnico qualificado para obtenção de bons resultados produtivos e lucrativos.

martes, 3 de octubre de 2017

Novas técnicas de cultivo impulsionam a produção de morangos no Rio Grande do Sul



Há mais morangos brotando nas estufas da Serra, Vale do Caí e até da região sul do Estado. Com a adoção de novas variedades e de técnicas de produção mais propícias ao cultivo – a partir da disseminação do sistema por substrato nos últimos cinco anos e que hoje domina 80% das lavouras –, o clima reduziu seu impacto sobre os frutos. 


Enquanto a área cultivada se manteve praticamente estável no Rio Grande do Sul – passando de 490 mil hectares em 2014 para 500 hectares em 2017 –, a produção cresceu mais de 35%, de 17 mil toneladas para 23 mil toneladas no mesmo período. O resultado elevou a produtividade média por hectare em 32,5%, saindo do patamar de 34,7 toneladas para 46 toneladas na mesma base de comparação, segundo estimativa de cultivo de frutíferas da Emater/RS, realizada a cada três anos (quadro abaixo).
Entre os produtores que colhem acima da média estão os irmãos Evandro e Cláudio Andreazza, da Granja Andreazza, de Caxias do Sul, município com a maior produção do Estado. A propriedade chega a produzir 90 toneladas por hectare. Para chegar a este bom resultado, é necessária uma série de cuidados:
– Boas mudas, manejo, estrutura, espaço arejado e adubação correta – conta Evandro, que emprega cerca de 40 famílias na empresa.
Mas o rendimento por planta é relativo, ressalta Evandro, já que há disparidade entre os morangueiros dentro de uma mesma estufa. A produtividade média é de 800 gramas por muda, o que rende entre 70 a 80 toneladas por hectare, com picos de 90 toneladas ao ano por hectare. Uma das vantagens da hidroponia é a possibilidade de colheita ao longo do ano, com plantio escalonado. Somente nos meses de junho e julho há uma quebra, quando é realizado o manejo e o preparo de substrato. 

viernes, 22 de septiembre de 2017

Agricultor investe em hidroponia e fatura mais de R$ 30 mil

Após receber assistência técnica, a produção chegou a 15 mil unidades de alface e 10 mil de rúcula por mês

O produtor rural Gelson de Freitas recomeçou do zero a produção de hidroponia da família após receber orientações do programa Hortifruti Legal. Após cinco meses de assistência técnica e gerencial prestada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/MS), em Terenos, os resultados surpreenderam o agricultor. A produção alcançou 15 mil unidades de alface e 10 mil de rúcula por mês.   Freitas conta que antes de trabalhar com produção de hortaliças tocava uma pequena fábrica de sorvetes na área urbana do município, mas, a dificuldade em competir com grandes marcas resultou no fechamento da microempresa. “Nossa família trabalha junta e decidimos investir na hidroponia. 

No começo, conseguimos um retorno, mas, a falta de orientação técnica quase inviabilizou a produção”, conta o agricultor.   Segundo levantamento da Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul, na primeira quinzena de setembro, o pé de alface crespa foi cotado a R$ 1,11, perfazendo uma receita bruta de R$ 16.650 reais. Enquanto isso, a rúcula obteve o preço unitário de R$ 1,50, multiplicada por 10 mil maços obteve-se ao faturamento de R$15.000.   Atuação do Hortifruti Legal A comercialização de hortaliças produzidas pelos produtores participantes da metodologia de ATeG registrou no ano passado, mais de R$ 3 milhões e a expectativa é que os números aumentem em pelo menos 20%. Atualmente, 400 famílias são atendidas em todo Estado, contemplando 21 municípios. 

  De acordo com o gestor do Departamento de ATeG, do Senar/MS, Francisco Paredes, o diferencial da assistência oferecida pela instituição está em diagnosticar individualmente cada propriedade, demonstrando ao proprietário a necessidade de enxergar a atividade como um negócio. “Nossa equipe tem a missão de avaliar cada situação e ouvir o produtor em suas prioridades e dúvidas. Acredito que desta forma conseguimos resultados positivos e gratificantes para todos os participantes”, afirma.   Profissionalização da atividade Segundo monitoramento realizado pela equipe do Hortifruti Legal atualmente, 171 produtores assistidos no programa estão cultivando hortaliças como a alface e rúcula, no entanto, predomina o sistema convencional feito no solo. O total comercializado em folhosas no ano passado foi de R$ 644.022.   

A hidroponia é uma técnica de cultivo sem solo que, normalmente ocorre em ambiente protegido. No caso de folhosas (alface, rúcula, agrião, etc.), o sistema mais comum é o NFT, no qual as plantas são cultivadas em canaletas, onde uma pequena lâmina de solução nutritiva  (água + nutrientes) é injetada no sistema e circula pelas raízes das plantas. 

  Essa técnica permite a obtenção de plantas mais sadias, aumento na produtividade, melhoria das condições de trabalho, além de reduzir ou até eliminar o uso de agrotóxicos. Os interessados em iniciar o cultivo investirão entre R$ 50 e R$ 100 reais, por metro quadrado, dependendo do nível tecnológico desejado e da disponibilidade de materiais na propriedade.  


 De acordo com o engenheiro agrônomo responsável pelo atendimento na propriedade em Terenos, Victor Almeida, é importante esclarecer que, no cultivo hidropônico, não existe uma ‘receita de bolo’ que pode ser aplicada em diferentes situações. “Depois de diagnosticarmos as condições de manejo, identificamos a necessidade de alterar os níveis de nutrientes, equilibrar o pH da água e escolher uma variedade que tivesse melhor desempenho para as condições da propriedade. No entanto, grande parte do mérito vai para o Gelson e sua família que se dedicaram e atenderam as recomendações propostas”, afirma.



viernes, 15 de septiembre de 2017

Com capacitação, produção hidropônica ganha força no Sudoeste

A produção de frutas, hortaliças e temperos pelos sistemas hidropônico ou semi-hidropônico está ganhando força no Sudoeste do Paraná. O Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) promove a capacitação de seus técnicos para orientar os produtores que trabalham com esta forma de cultivo, que diminui a contaminação bacteriológica e melhora a produtividade.
Em parceria com a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), a União de Ensino do Sudoeste do Paraná (Unisep) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-PR), 18 técnicos da Emater foram capacitados, entre 2016 e 2017, para dar respaldo aos agricultores que utilizam o sistema. Eles prestam assistência técnica a cerca de 50 famílias da região.
O gerente regional da Emater de Dois Vizinhos, Valdir Koch, explica que assistência inclui desde a aquisição de materiais para montar as estruturas, as melhores substâncias utilizadas no plantio até informações sobre o mercado consumidor.
“Muitos produtores aderiram à atividade sem o conhecimento devido, tendo um alto custo de implantação sem alcançar os resultados esperados. Isso nos levou a treinar os técnicos para melhor orientar os agricultores”, diz.
Como funciona
No sistema hidropônico, as plantas ficam suspensas em canos de PVC e recebem uma mistura de água com nutrientes, que oferece todas as condições para que elas se desenvolvam. Solo ou substratos não são utilizados nesta forma de plantio, o que permite a produção em pequenos espaços de cultivo. Entre as espécies mais cultivadas estão alface e outras folhosas e temperos, como o cheiro-verde.
Na semi-hidroponia, utilizada principalmente no cultivo de morangos e tomates, o plantio é em local protegido, como estufas e bancadas, e há utilização de substratos. As mudas vêm em sacos, chamados de slabs, que contam com o substrato pronto. “A nutrição da planta nesses sistemas é o essencial. Os agricultores precisam ter conhecimento para aplicar soluções nutritivas com todos os elementos que a planta precisa”, explica Koch.
Além de trazer mais qualidade de vida, a produção hidropônica traz um ganho de produtividade aos agricultores, afirma Koch. “Pelo sistema convencional, um pé de alface leva 35 dias para ser colhido após o plantio. A hidroponia diminui em dez dias esse período. Em um ano, os produtores podem ter até duas safras a mais utilizando o sistema hidropônico, gerando mais lucro”, afirma.
O cultivo protegido e controlado também evita a perda de safra por eventos climáticos, como secas e geadas, diminui a incidência de pragas e a aplicação de agrotóxicos. Outra vantagem, destaca o gerente da Emater, é a perspectiva de manter os jovens trabalhando no campo. “O sistema é atrativo para os jovens, pois o manejo é menos pesado que na agricultura convencional”.
Plantação
Formado em agronomia, o produtor rural Anderson Santin, de Dois Vizinhos, iniciou o plantio semi-hidropônico de morango há três anos, de tomate há dois e agora inicia os testes para a plantação de uva pelo sistema. Para ele, o aumento na quantidade de plantas cultivadas por metro quadrado é a principal vantagem.
A implantação de um sistema hidropônico é mais cara que a plantação convencional, mas a quantidade maior de plantas que cabem em uma estufa e o fato de uma mesma muda durar até três anos compensam”, explica Santin. 
“A ergonomia é outro fator importante. Há mais qualidade e conforto no trabalho porque as bancadas ficam elevadas. Isso também evita algumas doenças do solo que atacam as plantas”.
No ano passado, a propriedade de Santin foi escolhida pela Emater, UTFPR e Unisep para um dia de campo que reuniu produtores de 25 municípios interessados em iniciar o plantio hidropônico. O produtor também foi orientado pela Emater quando adquiriu o terreno para iniciar a plantação. “A capacitação dos técnicos e dos produtores é essencial para que essa cultura ganhe força no Paraná”, afirma.

martes, 29 de agosto de 2017

Plantas Ornamentais que Podem ser Cultivadas com Hidroponia

Para quem aprecia plantas ornamentais dentro de casa, a técnica de hidroponia é um excelente meio cultivar espécies populares para o interior da casa, como samambaias e avencas.
Elas incluem espécies que se desenvolvem apenas na água. Veja a seguir.

Espécies Ornamentais Hidropônicas para Sala e Quarto

Plantas de vaso, como lírio-da-paz (Spathiphyllum), e natalinas, que enfeitam tão bem nossas salas, também podem crescer assim. Vegetais como os filodendros e jiboias (Epipremmum) se desenvolvem perfeitamente em substratos líquidos inertes.
Plantas para o quarto são muito cultivados desta forma, com as raízes mergulhadas em meio líquido. Podemos usar vasos de vidro, sem nenhum substrato.
Muitas pessoas não colocam nenhum nutriente, o que acaba por levar a planta ao fenecimento. AlgumAlgumas colheres de sopa de adubo granulado dissolvido dentro do meio líquido será o suficiente, colocado periodicamente.
O cultivo em recipientes com materiais tipo cascalho brita, perlita e argila expandida também poderá ser feito, desta forma ancoramos melhor a muda.
Se houver adição de solução nutritiva, esta deverá ser escolhida para produção de ornamentais, um pouco diferente da usada para cultivo de hortaliças.
Folhagens belas podem ser assim cultivadas. Contudo também poderemos cultivar em meio hidropônico plantas de ciclo mais curto, como amor perfeito (Viola tricolor) e petúnias (Petunia).
O meio de cultivo hidropônico deverá ser montado com grânulos e pedrinhas pequenas, utilizando solução nutritiva adequada.
São plantas que apreciam o sol, então se cultivadas dentro de casa precisam receber luz natural algumas horas por dia, de preferência pela manhã, evitando o sol da tarde muito quente que poderá esquentar demasiado o substrato.
Outras plantas interessantes para este tipo de cultivo são as plantas de bulbo, como os narcisos (Narcisus), plantas bulbosas como as frízias (Freesia) e os tinhorões (Caladium).

Plantas de Interior de Lugares Úmidos

Uma planta oriunda de brejos e banhados, como a cavalinha (Equisetum), tem no meio hidropônico sua grande oportunidade de desenvolvimento.
Frequentemente utilizada em canteiros com plantas de seco, resiste bem. Mas colocada em substrato inerte de pedregulhos mantidos com umidade e fertilizados periodicamente terão pleno desenvolvimento.  
Isso propiciará um compacto e belo maciço, que poderá ornamentar a entrada de um edifício em jardineira de alvenaria, dentro de vasos bonitos na sacada ou terraço ou um recanto sem graça, desde que haja sol para seu desenvolvimento.
Se você está procurando uma planta de grande porte, opte pelas alpínias (Alpinia), e plantas para jardins com piscina, strelitzias (Strelitzia). 
Lagos de jardins não estão descartados como bases do cultivo hidropônico, mas demandam um recipiente de grande porte e complicado sistema de drenagem e manutenção.

jueves, 10 de agosto de 2017

Principais plantas cultivadas em Hidroponia

Com a consolidação do cultivo em hidroponia no Brasil, houve também a consolidação de algumas culturas que se adaptaram bem e são produzidas em grande escala em hidroponia para o consumo humano.  Evidentemente, nem todas as instalações para hidroponia precisam ser em escala comercial. Mas independente do tamanho do cultivo podemos ver claramente a vantagem da hidroponia, pois ela permite o cultivo de plantas em um ambiente protegido e em uma densidade muito maior que o cultivo convencional com solo.
Diversas plantas podem ser cultivadas em hidroponia. Contudo, algumas espécies são particularmente adequadas e muito bem adaptadas para o cultivo em hidroponia. Entre elas estão:
  • Alface em hidroponia.
  • Morango em hidroponia.
  • Tomate em hidroponia.

Alface em hidroponia:

Alface é uma espécie vegetal que tem o sistema radicular considerado pequeno. Consequentemente é adequada para o cultivo em hidroponia, principalmente no sistema NFT, que é o mais utilizado em todo mundo. Ainda, devido ao pequeno tamanho de cada planta de alface, podem ser cultivadas em alta densidade, ou seja, muitas plantas por área de cultivo. Isso permite boa utilização de espaços. A imagem ao lado mostra o cultivo hidropônico de alface em escala comercial, onde plantas jovens aparecem no primeiro plano e alfaces ao ponto de colheita ao fundo.
A técnica NFT de cultivo hidropônico pode ser usado de forma bastante criativa para cultivar alface em espaços pequenos, como um quintal ou sacada de apartamento.

Morangos em hidroponia:


Principais plantas cultivadas em Hidroponia

Com a consolidação do cultivo em hidroponia no Brasil, houve também a consolidação de algumas culturas que se adaptaram bem e são produzidas em grande escala em hidroponia para o consumo humano.  Evidentemente, nem todas as instalações para hidroponia precisam ser em escala comercial. Mas independente do tamanho do cultivo podemos ver claramente a vantagem da hidroponia, pois ela permite o cultivo de plantas em um ambiente protegido e em uma densidade muito maior que o cultivo convencional com solo.
Diversas plantas podem ser cultivadas em hidroponia. Contudo, algumas espécies são particularmente adequadas e muito bem adaptadas para o cultivo em hidroponia. Entre elas estão:
  • Alface em hidroponia.
  • Morango em hidroponia.
  • Tomate em hidroponia.

Alface em hidroponia:

Alface é uma espécie vegetal que tem o sistema radicular considerado pequeno. Consequentemente é adequada para o cultivo em hidroponia, principalmente no sistema NFT, que é o mais utilizado em todo mundo. Ainda, devido ao pequeno tamanho de cada planta de alface, podem ser cultivadas em alta densidade, ou seja, muitas plantas por área de cultivo. Isso permite boa utilização de espaços. A imagem ao lado mostra o cultivo hidropônico de alface em escala comercial, onde plantas jovens aparecem no primeiro plano e alfaces ao ponto de colheita ao fundo.
A técnica NFT de cultivo hidropônico pode ser usado de forma bastante criativa para cultivar alface em espaços pequenos, como um quintal ou sacada de apartamento.
Esse sistema pode ser feito com tubos de PVC junto com pequenas cestas que sustentam cada planta de alface junto ao tubo. Uma forma particularmente criativa para cultivar alface hidropônica é em tubos de PVC ou em calhas penduradas nas paredes em um padrão de zig-zag. Sendo que os nutrientes são bombeados para o topo do tubo ou da calha e, por escoamento faz o circuito de zig-zag da tubulação, nutrindo as plantas em toda extensão da tubulação. Esse sistema, desde que não seja muito grande, pode ser feito em paredes de residências formando uma horta ou jardim.

Morangos em hidroponia:

O cultivo de morangos em hidroponia é muito similar ao cultivo de alface, sua adaptação ao cultivo também foi muito boa, assim como no caso da alface.
Os morangueiros também tem um sistema radicular pequeno, sendo particularmente adequado para o cultivo no sistema NFT de hidroponia. Como pode ser visto na figura abaixo as plantas podem ser cultivadas em uma densidade muito elevada em tubos de PVC. A única coisa que deve ser levada em consideração é o espaço para frutificação e colheita dos morangos.

Tomate em hidroponia:

Diferentemente da alface e morangueiro, o tomateiro tem um sistema radicular mais agressivo e maior. Portanto, não é adequando para cultivo no sistema NFT de hidroponia. Isso porque o grande sistema radicular pode interferir e bloquear o fluxo de nutrientes no tubo de PVC. Os tomates são popularmente cultivados em sistemas hidropônicos com gotejamento de nutrientes planta por planta ou no sistema de aeroponia. Nesses sistemas, as raízes dos tomateiros podem se desenvolver livremente, permitindo o pleno desenvolvimento e produção da planta, sem interferir no fluxo de nutrientes para as demais plantas.