viernes, 21 de julio de 2017

O que é Hidroponia?

Hidroponia ( do grego: água + trabalho) é o nome dado a um sistema de cultivo de plantascaracterizado por não precisar de terra (solo)As raizes das plantas ficam dentro da água. Soluções fertilizantes são adicionadas à água para alimentar as plantas.
Hoje em dia é possível encontrar muitos produtos hidropônicos nos supermercados. Os produtores encontraram na hidroponia muitas vantagens: ocupa um espaço reduzido e tem o clima da estufa controlado permitindo produzir o ano todo.
As plantas são cultivadas em estufasem necessidade do uso do solo. O que aumenta a produção, e a qualidade dos produtos, visto que os nutrientes são balanceados e controlados. Diminui a quantidade de água utilizada, por possuir um sistema fechado, e também reduz o uso de agrotóxicos, por ser dentro de estufa, o que diminui o ataque de predadores e as intempéries do tempo, não havendo poluição do solo. Além de utilizar um espaço muito menor do que a agricultura tradicional.
Claro que este aumento de produtividade depende da energia elétrica ou de algum sistema similar. Mas se torna uma alternativa onde o solo não mais comporta a plantação. Apesar de ainda ter um custo um pouco mais elevado.
A hidroponia hoje é mais difundida em países como a Holanda, Alemanha, Itália, Espanha, Suécia, Japão, Austrália, Estados Unidos, México e áreas vizinhas da América Central.
No Brasil, esta técnica ainda não é muito difundida, sendo mais utilizada perto dos grandes centros urbanos onde as terras agricultáveis são mais escassas e caras. Sendo a região sudeste a campeã de produção hidropônica no Brasil.

lunes, 26 de junio de 2017

Técnicas hidropônicas

"A hidroponia da palavra é derivada do grego Hidro (água) e Ponos (de trabalho ou de trabalho), que significa, literalmente, trabalhar em água."


Antes de participar técnicas hidropônicas deve entender que a planta é um organismo vivo que cresce, se reproduz e morre para que leva a processos biológicos em seu desenvolvimento como suor (perspire), água potável e alimentação dentro da mais importante até que não devemos perder de vista das entidades responsáveis por estes processos.

Lembre-se que todos os elementos tomados raiz são realizadas pela haste para as folhas onde são modificados para que a planta possa assimilar e desenvolver com boa qualidade.
técnicas hidropônicas.


Objetivo: mostrar o que as técnicas de hidroponia para que as pessoas podem decidir o que é melhor para você, de acordo com suas necessidades.



"A hidroponia da palavra é derivada do grego Hidro (água) e Ponos (de trabalho ou de trabalho), que significa, literalmente, trabalhar em água."


Antes de participar técnicas hidropônicas deve entender que a planta é um organismo vivo que cresce, se reproduz e morre para que leva a processos biológicos em seu desenvolvimento como suor (perspire), água potável e alimentação dentro da mais importante até que não devemos perder de vista das entidades responsáveis ​​por estes processos.

Lembre-se que todos os elementos tomados raiz são realizadas pela haste para as folhas onde são modificados para que a planta possa assimilar e desenvolver com boa qualidade.


Cada uma dessas técnicas permite construir pequenas centrais como os organismos grandes ou suculentas e decidir qual deles melhor lhe convier de acordo com as necessidades de sua área.


O que é substratos hidroponia?.

  O substrato técnica é produzir meios que ancora a raiz e dar suporte para a planta manter a umidade, drenagem, aeração e facilidade de adsorção de nutrientes na última estamos preocupados é que a planta pode levar nutrientes sem qualquer problema para o seu desenvolvimento.
Antes de continuar, vamos deixar claro que é um substrato significa para gerar o apoio da planta para ancorar a raiz não necessariamente inerte vai depender do clima da região ou as necessidades de cada pessoa e / ou produtor.

Muitos métodos hidropónicos actuais empregam algum tipo de meio, tais como gravilha, areia, pedra-pomes, serradura, argilas expansivas, carvão vegetal, casca de arroz, etc. substrato indicado., ao qual é adicionado com uma fórmula nutricional dissolvido em água (solução nutriente) contendo todos os elementos essenciais necessários para o crescimento e desenvolvimento da planta.

jueves, 22 de junio de 2017

Conselhos para o cultivo hidropônico

Conselhos para o cultivo hidropônico

  1. Não exponha as raízes à luz. Isso pode trazer consequências negativas para o crescimento da planta.
  2. Remova todas as folhas mortas, corte as folhas e os galhos das plantas doentes e, não misture esse material com a compostagem.
  3. Deixe que as plantas tenham acesso suficiente ao oxigênio, que há no ar, para crescer e absorver água e nutrientes.
  4. Cuidado com a drenagem mal feita, porque isso pode tolher o desenvolvimento da planta, fazê-la murchar e, provocar descoloração  das folhas.
  5. Além de contribuir para a estética, em se tratando de plantas trepadeiras, não deixe que suas folhas fiquem no chão, para evitar doenças, ao entrar em contato com o solo.

Substratos

Você pode usar vários substratos: areia grossa (peça areia de rio lavada), cascalho, perlita, vermiculita grossa e lã mineral.
perlita e a vermiculita grossa são boas escolhas porque vêm esterilizadas, são uniformes e, tem para pronta entrega nos grandes shoppings de plantas.
água pode forçar a planta a gastar toda a sua energia disponível, para desenvolver um sistema extensivo de raiz, que pode resultar em um pequeno broto atrofiado. Por essa razão, é importante que o ambiente, onde a planta se desenvolve, seja irrigado e, em seguida, drenado.
No cultivo hidropônico, a planta tem de ser drenada o tempo todo.

Luz

A quantidade de luz necessária varia de planta para planta.
A maioria das plantas frutíferas como milho, tomate e pimentões precisam de 8 a 10 horas de luz do sol por dia. Para que essas plantas cresçam dentro de casa, é necessário colocar luz artificial para prover luz de alta intensidade, sem fazer com que a temperatura cresça além dos níveis aceitáveis.
Por outro lado, muitas plantas ornamentais, assim como plantas com folhagem precisam menos da luz do sol que as plantas frutíferas, por isso, elas ficam muito bem dentro de casa. Um erro comum, no que diz respeito ao cultivo hidropônico, é tentar cultivar plantas com pouca luz, quando elas precisam de muita luz do sol.

Nutrientes

O principal ingrediente na receita de um cultivo hidropônico bem sucedido chama-se solução nutritiva. No cultivo tradicional, que usa terra, a planta recebe o fertilizante, que vem da lenta decomposição da matéria orgânica e, da liberação dos nutrientes minerais, que vêm do solo.
cultivo hidropônico provê, de imediato e de uma forma completa e balanceada, minerais solúveis em água diretamente para as raízes, o que elimina a necessidade da terra.
Para a planta crescer são necessários 16 elementos: as plantas extraem vários desses elementos, como por exemplo, oxigênio, carbono e hidrogênio da água e do ar. Os demais elementos devem ser suplementados pela solução nutritiva.
Os macronutrientes primários são: nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K).
Os macronutrientes secundários são cálcio (Ca), magnésio (MG) e sulfa (S).
Essas distinções são baseadas na quantidade de cada nutriente que a planta precisa.
Micronutrientes como ferro (Fe), manganês (Mn), boro (B), molibdênio (Mo), zinco (Zn), cobre (Cu) e cloro (Cl) são usados em quantidades muito pequenas pelas plantas, daí o nome  micronutrientes. Às vezes, os micronutrientes estão presentes como impurezas na água e no substrato sólido.

Nitrogênio

O nitrogênio é fundamental para o desenvolvimento de novas folhas e galhos, assim como para o desenvolvimento geral da planta.
Uma quantidade excessiva de nitrogênio pode enfraquecer o  crescimento da planta e, a possível demora na produção do fruto e da flor. Os sintomas de falta de nitrogênio são o amarelamento das folhas e, um crescimento fraco e espigado.

Fósforo

O fósforo é usado pela planta na fotossíntese e, na produção de flores e sementes. O fósforo também ajuda a raiz a crescer forte. Quando os níveis de fósforo estão baixos as folhas mais velhas começam a ficar numa coloração de um verde intenso e, desenvolvem descolorações nas cores marrom e roxo. Outros sintomas podem ser pouco crescimento e amarelamento das folhas mais baixas.

Potássio

O potássio é necessário durante todos os estágios de crescimento da planta, particularmente durante o desenvolvimento dos frutos. Entre os processos envolvidos com o potássio estão: a produção de açucares, amidos e clorofila. O potássio ajuda a planta a fazer bom uso do ar e da água, regulando as aberturas estomáticas das folhas, além de ajudar a planta a desenvolver raízes fortes. Os sintomas de deficiência de potássio são: manchas e amarelamento das folhas mais velhas, geralmente pelas bordas, além da queda de flores e frutos.

Cálcio

O cálcio é utilizado pela planta durante o crescimento das células. Ele também age com um regulador do excesso de nutrientes no solo. Dá para saber que uma planta está deficiente de cálcio, quando as folhas novas enrolam e param de crescer e, também quando as pontas dos talos caem. Por outro lado, o excesso de cálcio pode impedir o crescimento de uma planta jovem.

Magnésio

magnésio é fundamental para a absorção de luz e, é o elemento central na estrutura da molécula de clorofila. Os sintomas de deficiência de magnésio incluem o enrolar das bordas das folhas, o amarelamento das folhas mais velhas (as veias permanecem verdes) e, eventualmente, as extremidades adquirem um tom de verde vivo.
Você pode encontrar as soluções nutritivas nos shoppings de plantas
Os elementos necessários para se plantar com sucesso no sistema hidropônico são encontrados facilmente, já prontos, em catálogos de jardinagem, em shoppings de plantas, em empresas de fertilizantes e empresas especializadas em produtos para o cultivo hidropônico.
Os amantes da hidroponia poderão confiar nessas soluções comerciais que estão disponíveis.
Por outro lado, é possível preparar as suas próprias soluções nutritivas em casa também.
As soluções nutritivas hidropônicas contêm vários tipos de sais nutritivos, solúveis em água, geralmente misturados em um volume grande de água, numa concentração pronta para ser usada nas plantas.

jueves, 1 de junio de 2017

PASSOS SIMPLES para começar seu próprio hidroponia

Para começar, você deve saber que o cultivo hidropônico é um tipo de planta que não requer o uso de terra, mas água e materiais. Início hidroponia é conhecida como a agricultura do futuro, porque seu desenvolvimento é economicamente e traz muitas vantagens, ele não atrai parasitas ou bactérias, sem problemas como a erosão, geralmente não precisa de um grande espaço para o desenvolvimento, pode ser vertical e modular, eo melhor é que você pode fazer em casa.

Para fazer uma hidroponia caseiros são necessários os seguintes materiais
Um recipiente, um recipiente ou balde que tem uma profundidade de 20 a 30 cm. Recomenda-se que a embalagem é de uma cor escura para que a luz não incida sobre as raízes.

Uma bomba de eliminação de ar, como os utilizados nos tanques. Isto é usado para que a água tem boa oxigenação.
A solução nutritiva, que embora pode ser feito em uma casa, uma opção é adquirir soluções hidropônicas que já fizeram com nutrientes equilibrados.

Substrato, que retém os nutrientes as necessidades da cultura, serve como base para as plantas e é muito económico. É o equivalente de fertilizante orgânico para as culturas tradicionais.

As sementes ou plantas que se pretendem para o cultivo.
Uma borracha ou plástico
Uma placa de madeira, o que deverá ter as mesmas dimensões do recipiente.

Preparação de hidroponia

Primeiro faça um buraco na base do recipiente sem esquecer a profundidade escolhida. Neste buraco para inserir a rolha de borracha ou plástico, para que possa fazer a mudança de água sempre que necessário.
Feixe com um furo na placa de madeira, de preferência, uniformemente espaçados cada buraco. O número de buracos será proporcional ao tamanho da tabela.
Através dos furos, inserir as raízes da planta. É importante ter cuidado para não machucar as raízes e que estes estão submersos na água. Lembre-se que a haste deve estar acima da superfície da água.
Assegurar a planta com o substrato, que é um meio sólido inerte que protege e suporta para o desenvolvimento das raízes da planta, permitindo que a solução de nutrientes está disponível para o desenvolvimento.
Você pode colocar o espaço exploits cultivo da casa e no quintal, um terraço ou uma parede (colheita vertical), mas o importante é que as plantas podem receber luz solar.

Com a eliminação de ar da bomba deve oxigenar a água, de preferência de dois em dois ou de três horas por dia, e deve ser uma revisão para a solução nutritiva. Em qualquer caso, você pode adicionar nutrientes de forma independente para a planta para manter a quantidade de nutrientes e estável.

Recomendações para seus hidroponia é saudável

A cada 15 dias, trocando a água no recipiente, e esquecer reutilização regar outras plantas.

Também é preciso observar o desenvolvimento das plantas se eles têm uma anormalidade ou uma falha do sistema de cultivo.

É necessário que a planta recebe luz solar para o desenvolvimento embora em alguns tipos de plantas não é crítica.

Como resultado do uso da agricultura hidroponia é renovada, sendo acessível a todos, mesmo sem ser especialistas em agricultura ou estar em lugares equipados para este trabalho, como cidades e na mesma casa. Com hidroponia você pode vender em mercados de produtos colhidos, como legumes e, claro, ajuda na economia familiar, é essencial que o desenvolvimento destas culturas é barato e ajudar substancialmente o ecossistema prevenção da erosão como com a terra.

Por estas razões, é conhecida como a agricultura do futuro. Adotando este método irá trazer muitos benefícios para o seu ambiente. Com entusiasmo e esforço que você pode construir seus próprios hidroponia.

miércoles, 10 de mayo de 2017

Primeira fazenda urbana da América Latina será inaugurada nesta quinta-feira, em Belo Horizonte

Depois de três meses de espera, a primeira fazenda urbana da América Latina – e a nona no mundo – será inaugurada em Belo Horizonte (MG) nesta quinta-feira (dia 11). A BeGreen, que tem à frente o administrador público Giuliano Bitencourt, 26 anos, e Pedro Graziano, 29, busca tornar a cadeia de alimentos mais sustentável, eliminando um de seus maiores entraves: a distância entre o produtor e o comprador. A ideia da fazenda urbana é justamente cultivar produtos o mais perto possível do consumidor. Por exemplo, ao lado de um shopping center, no caso o Boulevard Shopping, localizado na Avenida do Contorno, no bairro Santa Efigênia, na região Centro Sul de Belo Horizonte.


A fazenda urbana sediada no centro de compras ocupará uma área de 2,7 mil metros quadrados, com uma estufa de 1,5 mil metros quadrados e capacidade para produzir peixes e até 50 mil pés de alfaces baby e ervas por mês usando a Aquaponia. Além da estufa, o espaço contemplará, ainda, com uma loja, a Casa Horta, para vender os produtos cultivados na fazenda urbana e dar espaço para produtores locais da região.
O empreendimento segue o conceito de que a produção ocorra no Centro da cidade e o consumo, em raio de 10 quilômetros. Nos planos há, também, um restaurante no conceito “farm to table” (da fazenda para a mesa), a Casa Amora. O estabelecimento servirá refeições preparadas com as hortaliças da fazenda urbana. Na estrutura, que contempla palco e espaço de convivência, serão realizados eventos, palestras relacionadas à vida saudável e sustentabilidade e o empreendimento será aberto à visitação de estudantes. A expectativa é de atender 1 milhão de pessoas por ano.

O empreendedor fala do setor em que está inovando: “Hoje, a cadeia é ilógica. O alimento viaja 150 quilômetros até chegar ao seu prato. Isso aumenta o custo, o desperdício e não remunera bem o produtor”, enfatiza. E prossegue nessa linha de raciocínio: “Há tanta gente passando fome e nós, aqui, gastando energia, combustível, sol, horas de trabalho para fazer algo que vai para o lixo. Não faz sentido”, afirma Bittencourt.

Preocupações como esta levaram o empreendedor a estudar administração pública. Movido pelo propósito de “fazer a diferença na sociedade”, cursou a graduação na Fundação João Pinheiro, e, atuando no governo de Minas Gerais, foi um dos fundadores do Seed (Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development), em 2013, o primeiro programa de aceleração de startups do país com dinheiro público.

O Seed tem o objetivo de tornar o estado um grande polo de inovação na América Latina. Seu programa acolhe 40 startups por rodada, com capital semente de até R$ 80 mil e aceleração. Atualmente, está na quarta edição, e já acelerou mais de 120 startups em três anos. Por causa do Seed, Giuliano teve a oportunidade de conhecer o Media Lab, um projeto do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que reúne laboratórios interdisciplinares. Lá, conheceu a proposta inovadora das fazendas urbanas. Com mudança de governo, o Seed parou durante seis meses e quase acabou – o fim do programa só foi impedido por pressão do ecossistema empreendedor que, afinal, ajudou a criar e fortalecer.       

Empreendedorismo

O Seed continua ativo, mas a instabilidade fez Giuliano perceber que era hora de empreender no setor privado. A ideia da fazenda urbana não saía da cabeça do jovem criado em Divinópolis, município distante 120 quilômetros da capital mineira. Aquilo remetia à infância, quando frequentava o sítio da família, e ele se sentia revigorado com a possibilidade de fazer esse resgate. “Quando as pessoas vêm para a cidade, perdem a conexão com a comida. O leite vem da caixinha. É bom mostrar para a criança que a alface não vem da geladeira”, declara.
Até então, sua forma de manter-se conectado com o campo era alimentando o blog e Instagram Menu do Zé, onde repete as receitas que o pai cozinhava no sítio. Mas era hora de empreender. E Bittencourt, então, apresentou a proposta da fazenda urbana para Pedro, um amigo de quando trabalhava no Seed. O sócio também tem uma conexão forte com a terra. Formado em administração pela Universidade de São Paulo (USP), é natural de Araras (SP), e sua família é de agrônomos e possui um “pesque e pague”, além de criar rãs e coelhos.

Cooperação

 Em 2014, a dupla arrendou uma fazenda de um amigo em Betim (MG) e deu início à produção de alface crespa hidropônica orgânica. Animados, compraram um caminhão com câmara fria que custou R$ 100 mil - e foi roubado quando ainda estava sendo pago. A solução foi arranjarem um outro, emprestado, até conseguirem ter dinheiro o suficiente para adquirir um usado. Com a pressão maior causada pelo prejuízo, eles decidiram mudar o produto, que era pouco competitivo.

Bittencourt conta que ele e Pedro foram a São Paulo fazer uma pesquisa em hortifrutis em busca de outras opções. “Vimos que existia uma linha de alface baby que era mais saborosa e resistia mais tempo na geladeira. Em seguida achamos uma empresa na Holanda, a Rijk Zwaan, que começou a plantar essa semente”, conta. Os holandeses os ajudaram com o desenvolvimento e cultivo do produto, transmitindo conhecimento e trocando P&D (pesquisa e desenvolvimento). Em contrapartida, os brasileiros abrem para eles os números de produção (variáveis medidas nas plantas) e fazem um evento por mês para difundir o Love My Salads, que é a plataforma de conteúdo da marca. A estratégia agradou.

Com a resposta na mão, foram de supermercado em supermercado, restaurante em restaurante, oferecendo o produto, até conseguirem a garantia de compra dos fornecedores em 60 dias, tempo necessário para a mudança do cultivo. O passo seguinte foi desenvolver uma embalagem que mantém o pé com a raiz e água, permitindo que fique até sete dias fora da geladeira. Isso fez com que o desperdício caísse em até 80%.

Com uma produção de até 100 mil pés de alface, rúcula, agrião e temperos, em 2016, eles perceberam que o negócio tinha fôlego para deslanchar. Começaram, então, a buscar lajes em São Paulo. A ideia era colocar em prática a ideia da fazenda urbana na maior metrópole do país, mas a solução aconteceria em Minas Gerais. Durante uma feira de produtores, das muitas que eles costumam ir para receber o feedback dos clientes, o gerente de Marketing do Boulevard Shopping gostou da ideia e ofereceu um estacionamento ocioso. Mas não seria tão fácil. Inovar não é simples, e a legislação urbana não prevê a construção de uma fazenda urbana no topo de um prédio, como eles inicialmente imaginaram. A solução foi desistir do estacionamento e usar um espaço no térreo.

A BeGreen administrará apenas a fazenda, mas eles acharam que seria interessante ter o restaurante e a loja, e convidaram parceiros que já atuam nestas áreas para investir no complexo. Além das hortaliças já produzidas na fazenda de Betim, a fazenda no shopping terá tomate, pepino, pimentão, cenoura e cebola – alimentos que estão entre os que mais usam defensivos, segundo levantamentos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os produtos custarão R$ 5,00.

O empreendedor prevê dez funcionários trabalhando no complexo, e tem planos para eles também. “É preciso que morem no entorno, porque queremos zero emissão de carbono no deslocamento. Queremos que eles possam vir a pé ou de bike”, diz Bittencourt. Ele conta, também, que o vale refeição ou alimentação poderão ser gastos na Casa Horta ou na Casa Amora e que os funcionários terão a opção de fazer ioga ou academia “para virem trabalhar energizados”. “Além de falar que vamos vender coisas do bem, nós vamos fazer o bem, porque não adianta nada o greenwashing [publicidade sustentável] e vender produtos bonitinhos se os funcionários não respiram na mesma essência”, acrescenta o administrador.

Outra preocupação é que o lucro não seja o único objetivo da BeGreen. Como no entorno do Shopping Boulevard há favelas, a ideia é que em um segundo momento a empresa passe a compartilhar tecnologia e ensinar os moradores a fazerem hortas comunitárias, por exemplo, além de doar parte da produção. “Nossa ideia não é tirar o máximo da fazenda. Se com determinado volume de vendas o projeto se pagar, conseguiremos crescer com outras fazendas e poderemos doar o excesso”, conta.

Depois que o shopping abraçou a ideia, a Liga Ventures, que toca a Oxigenio, aceleradora da Porto Seguro, entrou como investidora e acelerou a BeGreen. Bittencourt se prepara, agora, para uma nova rodada de investimentos, com o objetivo de levar o projeto das fazendas urbanas a outros lugares do Brasil. Já existe uma negociação para implementar uma fazenda urbana em São Paulo, e a expectativa é de abrir as portas de outra, no Rio de Janeiro, até o fim do ano. “Queremos levar a cultura de fazendas urbanas para o máximo de grandes centros possíveis no Brasil e espalhar esse estilo de vida de consciência na alimentação”, diz o empreendedor, que vê com bons olhos ser vizinho de um shopping. “Um espaço de consumo consciente ao lado de um palácio de consumismo é meio antagônico, mas é isso que a gente quer promover: conscientização para as pessoas entenderem que o mundo mudou e o consumo desenfreado não pode ocorrer mais”, completa.

martes, 9 de mayo de 2017

Vantagens do sistema semi-hidropônico atraem produtores de morango em Piedade

As vantagens do sistema semi-hidropônico estão atraindo os produtores rurais de Piedade, município que é responsável por 7% da produção de alimentos entregues à Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp). Embora os custos de implantação sejam mais altos, a técnica permite ampliar o período de produção e garante renda ao longo de vários meses.


O morango é uma delícia e dá um charme especial em muitas sobremesas. E a melhor época para colheita da fruta é entre os meses de agosto e dezembro. O sistema semi-hidropônico, no entanto, permite ampliar o período de produção.
As mudas são cultivadas em estufas e plantadas em sacos plásticos específicos, conhecidos como bags ou slabs. Em cada saco cabem cerca de 14 pés de morango. Outra diferença em relação ao plantio convencional, no solo, é que as plantas ficam suspensas em cavaletes, facilitando o manejo dos vegetais.

No sítio de Tieko Sasada e Yoshiteru Sasada, em Piedade, a produção de morango nesse sistema começou há cinco anos e o casal só vê vantagens no cultivo. Os produtores destacam a facilidade na colheita, já que não precisam ficar abaixando para pegar as frutas. Outro ponto favorável é a diminuição das pragas e doenças, já que as plantas não têm contato com o solo. As variedades plantadas são a Monterrey, com alta capacidade para produzir no verão, e a Albion, que tem como principal característica a excepcional qualidade de fruto, tanto por tamanho como pelo seu sabor e firmeza.

Na época da implantação, Yoshiteru diz que estudou bastante sobre semi-hidroponia e que até viajou para conhecer cultivos semelhantes. Hoje, ele tem 15 mil pés plantados e pretende cultivar mais 4 mil. O engenheiro agrônomo Bruno Matsuo informa que, nesse sistema, o agricultor consegue uma economia de 40% de água e defensivos, mas alerta que é preciso cuidado para ajustar o manejo.

José Duaceck plantava morango de forma convencional e, na entressafra, tinha que lidar com hortaliças para garantir a renda da família. Há alguns anos, ele investiu no sistema semi-hidropônico e hoje pode se dedicar exclusivamente ao morango. O agricultor conta que a implantação do sistema tem investimento elevado, cerca de R$ 15 mil por estufa, mas que a manutenção é bem mais barata e o retorno do investimento é rápido.

Os 32 mil pés do local produzem nos meses quentes cerca de 100 caixas de morango por dia. Já nos meses frios, a produção é de cerca de 60 caixas por dia. E, nesse caso, a grande vantagem é o preço na época de entressafra.

viernes, 28 de abril de 2017

NASA PREPARA-SE PARA A VIDA EM MARTE COM ESTUFA DE SISTEMA HIDROPÓNICO

Amor e uma cabana… em Marte. Mas não sem esta estufa de hidroponia na qual a NASA tem vindo a trabalhar para investir numa vida sustentável no planeta vermelho.

O Dr. Gene Giacomelli, Diretor do Centro para a Agricultura em Ambiente Controlado na Universidade do Arizona, explica que estão a “recriar o que as plantas teriam se estivesse, na Terra, e usar esses processos para garantir vida. O sistema completo desta estufa lunar representa, em pequena escala, os sistemas biológicos que temos na Terra”.
Como garantir a agricultura fora do Planeta Terra tem sido uma das maiores preocupações da organização e esta estufa parece ser a primeira resposta à questão: os cientistas e engenheiros agrícolas da NASA criaram um protótipo de uma estufa insuflável que consegue fazer crescer plantações no espaço. A estrutura de 2 por 5,5 metros foi desenhada não só para plantar alimento, mas também reciclar água e lixo e até revitalizar o ar: o dióxido de carbono expirado pelos astronautas pode ser usado pelas plantas para fazer a fotossíntese e gerar oxigénio.
Marte vai continuar no foco dos investigadores da NASA. Há um trabalho previsto para 2020 numa região do planeta onde o ambiente é favorável à vida e onde se procurarão amostras de vida passada para posterior análise na Terra.